Hoje é dia das mães, o meu primeiro.

Há um mês e vinte quatro dias vivi dois nascimentos: o do meu filho e o meu como mãe. Neste tempo, estamos nos conhecendo e aprendendo juntos esse novo ofício. Ele se acostumando as sensações, aos incômodos fisiológicos, aos estímulos, medo, carência, carinho, etc. Eu, por vez, administrando e tentando suprir todas suas necessidades e as minhas também.

Com suas devidas proporções, o ser mãe nasce tão imaturo e indefeso quanto um recém-nascido. Somos seres repletos de medos, dúvidas e incertezas, buscando dar o nosso melhor para aquele serzinho que depende exclusivamente de nós.

Nessas sete semanas, estou me redescobrindo como mulher, filha, irmã, cidadã. Todos os papéis que já exerci na vida estão passando por uma transformação e sendo reposicionados, repensados.

Agora sou mãe. Com todo o cansaço, desgaste físico e psicológico que pode ser gerado por noites dormindo pouco e o medo do desconhecido (incluindo o medo do filho) tenho vivido a fase mais plena e feliz da minha vida.

Sou MÃE em caps lock e em negrito, porque faço questão de lamber minha cria e estar disponível para ele sempre que precisar. Amamento sempre que ele quer ou necessita, dou colo, carinho, falo que amo, canto, converso, explico as coisas da vida, peço desculpas e tento fazer a maior parte das coisas que envolve a sua rotina.

Em suas primeiras semanas de vida não consegui colocá-lo para dormir no berço porque sentia saudade / insegurança dele ficar longe de mim, do meu corpo. Fui e sou responsável por todos os banhos de sua vida (inclusive o da maternidade). Troquei 98% de suas fraldas e por aí vai.

Sou mãe-leoa com um quê de polvo. Tenho a consciência de que eu deveria delegar mais, mas por enquanto não sei ser diferente.

Já chorei de cansaço e algumas horas depois chorei de saudade porque ele estava dormindo. Contraditório? Imagina! Se está certo ou errado, não sei. Quem sabe o tempo nos dirá. Só sei que por enquanto está funcionando para a gente. A cada semana percebo que ele está mais carinhoso, seu corpinho está mais forte, duro e coordenado e sua percepção está mais aguçada. Cada dia é uma descoberta e eu só tenho a agradecer por esses cinquenta e cinco dias da minha nova vida.

Feliz dia das mães para mim e para todos os tipos de mães =D

Share: