Browsing Category

Bebê | Criança

rotina: mamada e sono

Amamentação, Bebê | Criança By 29 de abril de 2013 Tags: 8 Comments

Sempre escutei que bebês/ crianças tem que te ter rotina. Por isso, com menos de uma semana de vida tentei estabelecer alguma rotina. Conversando com outras mães descobri que a tal rotina só consegue ser estabelecida por volta do quarto mês. Antes disso, cada dia é um dia e quando a gente acha que está conseguindo estabelecer qualquer coisa, eles crescem, aprendem coisas novas e mudam tudo de novo.

A tentativa mais frustrada foi de acordar Biel de três em três horas para mamar, fiz isso num domingo (quando ele completava uma semana de vida) por volta de meia-noite e me arrependi amargamente… Ele ficou chateado, demorou a pegar o peito, fez birra e não dormiu o resto da noite t-o-d-a. Para o meu desespero. Tentei de tudo, secador de cabelo, música clássica, dancei, rezei, chorei junto. Coincidência ou não ele só dormiu perto do horário que ele nasceu, escutando sobre o trabalho de parto que trouxe ele ao mundo.

Diante disso, resolvi que não teríamos rotina, aqui rola a livre demanda. Ele tem picos de mamadas manhã e tardinha/noitinha. A noite ele dorme razoavelmente bem, a primeira “dormida” dura cerca de quatro/cinco horas, acorda para mamar e volta a dormir por mais de três horas.

A outra noite punk foi de uma sexta para sábado que ele dormiu apenas três horas a noite i-n-t-e-i-r-a! De manhã eu estava exausta, com o seio machucado e quase surtando. Tirando esses dois episódios não tenho do que reclamar, ele dorme bem e não chora a noite. Acorda dando uma resmungadinha, que eu acho que é mais um bate-papo dele com ele mesmo ou dele me chamando.

As mamadas da noite demoram, são cansativas. Pelo menos vinte minutos cada seio, mais o tempo de fazer dormir, sem contar as vezes que é necessário trocar fralda. Às vezes dura cerca de duas horas todo processo. Já dormi dando o peito, já ninei em pé dormindo (sou ninja! hahah) e a televisão, o celular e as redes sociais são os meus melhores amigos nesses momentos solitários. Pensem na amiguinha aqui e mantenham suas redes sociais atualizadas!

Ele andou com cólica uns dias, mas milagrosamente está passando. E vou dizer, graças a Deus! É muito ruim você ver seu filho com dor, se contorcendo. Os babies não nascem com o sistema digestivo maduro, por isso muitos sentem cólica. Por mim, eu poderia ficar mais três meses com ele dentro de mim só para ter a garantia de que ele não passaria por isso aqui fora. Queria sentir a dor no lugar dele.

As dores sempre apareciam no início da noite e duravam umas duas ou três horas, depois ele se acalmava e dormia. Para passar, é um mix de técnicas e as vezes rolava tudo junto e misturado… Massagem na barriguinha, perninha, bolsa de água quente, banho de água quente, colo, barulho de secador, peito, carinho, conversa e vou dizer que num dia de desespero até reza rolou! E vou dizer que neste dia, foi a reza que funcionou! Ele apagou no meu colo.

Como Biel dormiu já tem um tempo e está de noite, preciso ir dormir também.  Num próximo post vou falar sobre a rotina de banho e passeio. E pleeeease paciência com o relato do parto! No outro dia comecei a escrever, mas tive que parar na segunda linha! E esse não é um post qualquer, preciso de concentração para parir o texto 😉

Share:

Mesaniversário: 1º mês

Bebê | Criança By 18 de abril de 2013 Tags: , , 10 Comments
♥ Biel ♥

♥ Biel ♥

Impossível não me emocionar ao pensar em tudo que vivi, que passei, que senti neste último mês. Desde o dia 18 de março às 6:06 am minha vida mudou. Fui invadida por um amor arrebatador, que chega a doer quando estou longe dele.

Mesmo que longe signifique apenas ele estar dormindo. Porque apesar da adaptação a nova rotina e todo cansaço que me envolveu neste primeiro mês, quando ele dorme sinto um vazio, uma saudade… do seu cheiro, do seu olhar, da sua pele, de tudo.

O que fica deste primeiro mesaniversário? um enorme obrigada a Deus, as forças que regem o universo, por me permitir passar pela experiência de ser mãe, e ao meu filho Gabriel, por ter me escolhido.

Share:

Semana caótica

Bebê | Criança By 15 de abril de 2013 Tags: , 10 Comments

Daí que a semana passada começou caótica! Marido a princípio ficando resfriado, que evoluiu logo para febre alta e suspeita de dengue ou virose (porque enquanto o resultado não sai, pode ser qualquer coisa). Logo aqui em casa que eu sempre me gabei por não ter mosquito… Enfim, enquanto não tínhamos certeza do resultado o lance foi isolar o marido do filhote. Com isso passei a semana sobrecarregada cuidando dos dois, pelo menos da casa tenho uma pessoa para me ajudar.

Na terça a noite fiquei preocupada, Biel apareceu quentinho, molinho e com chorinho rouco. Fiquei monitorando a temperatura por umas duas horas, ele estava febril. Por volta das nove e pouco da noite a temperatura subiu para 37.4, ainda febril eu sei, mas diante do fato de ser mãe de primeira viagem e o marido estar com suspeita de dengue/virose me deixou preocupada. Liguei pela primeira vez para o pediatra, que me sugeriu deixar ele com pouca roupa, oferecer o seio a vontade e ferver água filtrada e oferecer em mamadeira para ele,  deixá-lo com pouca roupa – tudo por uma hora. E foi o que eu fiz, menos oferecer água… achei estranho. Ofereci só o meu peito.

Depois de uma hora, a temperatura dele não baixou, foi para 37.4, liguei para o pediatra que me aconselhou ir para uma emergência pediátrica. Com marido doente, liguei para o meu pai que nos levou. Chegando lá, descubro que bebês recém-nascidos com menos de um mês não são atendidos em emergências por conta do risco de contaminação e que eu deveria ter me encaminhado para maternidade que ele nasceu.

Eles não queriam nem me atender, mas uma enfermeira viu que eu estava preocupada e se ofereceu para tirar a temperatura dele que tinha baixado e estava 37.1. Ela foi conversar com a pediatra responsável pelo plantão para ela dar uma olhada no Biel, e assim ela fez. Auscultou, viu orelhinha, narizinho e resolveu ligar para o pediatra para dizer que iria nos liberar, o pediatra pediu que não liberasse e fizesse exame de urina. Óbvio que a fralda estava cheia de xixi e não conseguimos colher a urina, fiquei de colher no dia seguinte cedo e a tarde ir no consultório dele.

Segundo a enfermeira e a pediatra da emergência, Biel não deveria ter sido enviado para lá. Existem muitas coisas para serem feitas para abaixar a temperatura (que ainda não era considerada febre) antes de mandá-lo para um hospital. Além do mais não se deve enviar um RN para uma emergência de hospital por conta do risco de contaminação.

Enfim, o pediatra foi atencioso, ligou no dia seguinte de manhã para saber como estávamos, mas acabei não gostando da forma como as coisas foram conduzidas por ele, sem contar com o fato dele ter mandado dar água, até porque Biel estava urinando e fazendo coco normalmente, ou seja, ele não estava desidratado, nem passando fome. Aliás, uma coisa que me incomodava é que ele sempre duvidava da minha capacidade de alimentar meu filho com o leite materno, mas vamos deixar isso para lá.

No dia seguinte coletei a urina e fui no pediatra, ele não estava com febre e o pediatra auscultou, viu orelha, nariz e estava tudo ok. O pediatra continuou mandando eu dar água… Não dei.

Na quinta fui em um outro pediatra, que também tinha sido recomendado (também é do plano) e gostei bastante. Biel também gostou (rs) não chorou durante as verificações que o pediatra fez – no outro ele abriu o berreiro nas duas vezes. O novo pediatra também passou uma vitamina para o Biel tomar até os seis meses de idade – vitaminas que não tem no leite materno e que são importantes. Enfim, mudei de pediatra. Biel ficou bem durante o resto da semana e marido de cama! Foi complicado, mas estamos todos bem!

Share:

IFF é amor!

Amamentação, Bebê | Criança By 4 de abril de 2013 Tags: , 21 Comments

Do final de semana para cá, Biel fica tem ficado nervoso no início da noite. Não quer lagar meu seio, ao mesmo tempo fica irritado, se sacode, contorce, espreguiça, chora e acaba pegando o bico do seio e me machucando. Com muita conversa, carinho, chamego, barulho do secador e colinho ele se acalma e dorme. Aí vai bem durante a noite e só acorda uma vez para uma longa mamada (cerca de duas horas todo processo).

Segunda passada foi o auge. Cheguei a um ponto que não sabia mais o que fazer, já tinha tentado de tudo e nada funcionava, até que meu anjinho apagou no meu colo e dormiu praticamente a noite inteira, acordou apenas duas vezes para uma mamada de 20 minutos cada! Super rápido. Terça resolvi ir no Instituto Fernandes Figueira (IFF é uma maternidade pública para gravidezes de alto risco e um famoso banco de leite materno)… afinal já tinha recomendado para tantas amigas, de repente poderia me ajudar de alguma forma. Estava com medo da pega estar errada, dele estar engolindo ar durante as mamadas e por aí vai.

Para começar chego lá e sou recebida por um sonoro “Seja bem-vinda! Por aqui mamãe”. Só essa pequena expressão já fez meu olho encher de água. Pode parecer besteira, pode ser meu lado materno carente precisando de aconchego… mas são poucos os lugares que você é recebido desta forma na rede privada, ainda mais na rede pública de saúde.

Cheguei e preenchi uma ficha com meus dados e dados do meu filho. A atendente perguntou, “qual é o seu problema?” Normalmente as mulheres vão lá porque estão com dificuldade amamentar, de ter leite, ou excesso e empedramento do leite e por aí vai, mas eu não… a princípio estava com produção de leite super Ok, queria checar a pegada, ver se ele estava engolindo o ar… e outras coisinhas que estivessem causando esse desconforto no meu filho. Quando caí em si, vi que de repente seria desproposital a minha ida ao IFF, mas em nenhum momento a atendente fez pouco caso das minhas dúvidas, pelo contrário, falou que em breve eu seria atendida.

E de fato fui.. A Dra. ficou comigo por uma hora e meia no consultório, perguntou sobre o meu pré-natal, sobre o meu parto, o porque de eu estar ali e em nenhum momento fez pouco caso das minhas dúvidas de mãe de primeira viagem. Uma coisa é fato, meu filho é o meu bem mais precioso e talvez por eu ser mãe de primeira viagem surgem muitas dúvidas e inseguranças. O fato de estar ali, com uma profissional entendida no assunto, que estava demonstrando todo o interesse do mundo na minha história, me ouvindo com carinho e não me fazendo me sentir uma boba, me emocionou. Em muitos momentos eu tive vontade de chorar.

Ela avaliou e elogiou a minha produção de leite, me ensinou a ordenhar, avaliou a pegada do Biel, eu mostrei o que acontece quando ele fica nervoso e percebemos que ele na maioria das vezes pega o seio bem direitinho, mas quando está nervoso pega apenas o bico, me machuca, não saí leite, daí ele fica mais nervoso e por aí vai. Além dele gastar a energia dele nisso tudo, né? Ela me ensinou a consertar a pegada dele.

Ele foi pesado e me foi dito que que ganhou peso. Está na média, mas ele deveria ter ganho cerca de 300g ao invés de 225g, por isso ela pediu para eu voltar na quinta, dois dias depois, porque ela queria acompanhar a evolução do peso dele. Ela perguntou se ele tem feito xixi e côco, falei que sim. Expliquei a média dos últimos dias, falei de cor, consistência, etc. Ela disse que a média estava ótima, isso é sinal de que ele está sendo alimentado.

Como dever de casa, ela pediu para eu ordenhar o meu leite antes das mamadas, pois o primeiro leite que sai é mais aguado, é o que “mata” a sede do baby, somente depois é que vem o leite mais nutritivo, proteico. Pediu também que eu trouxesse, pois ela queria me ensinar a dar leite materno no copinho para o Biel.

E assim o fiz! Passei uns dez minutos ordenhando e tirei esse tiquinho de leite! heehhe Não que falte leite por essas bandas de cá, pelo contrário! Mas é difícil, a mão escorrega, ainda não acertei a forma correta da ordenha.

LM1

Hoje voltei no IFF, fui atendida pela mesma médica, que com toda paciência do mundo me explicou mais coisas, aprimorou a minha ordenha (eu tava fazendo totalmente errado! hahaha), falou para eu sempre massagear meu seio antes de oferecer para o Biel, que ajuda a soltar o leite.

Ela tentou dar leite que levei (foto acima) no copinho para o Biel, mas ele não curtiu! Aí ela mostrou a técnica de dar esse primeiro leitinho através de sonda, enquanto ele estiver mamando no meu seio! Muito legal!

Ela me mostrou também outras formas de posição para mamada! Ela me mostrou uma com ele sentadinho que é muito fofa e ele super curtiu! O que é bom porque evita dele pegar sempre na mesma posição e deixar mais sensível a região! Além dessa posição ajudar na digestão do leite.

Biel também foi pesado e ele praticamente engordou 100g nesses dois dias! Muito bom, coração da mãe aqui está mais calmo! A princípio levamos alta! A médica não marcou nenhum retorno, mas disse que a instituição está de portas abertas sempre que eu precisar. Sai de lá me sentindo mais segura de que estou no caminho certo, aprendi  muito! O que posso dizer? Eterna gratidão ao Instituto Fernandes Figueira e parabéns a todos os profissionais pelo trabalho maravilhoso que é realizado lá.

Como dica boa tem que ser compartilhada… Mamães com problemas ou dúvidas em relação ao aleitamento materno, não pensem duas vezes, corram lá! O atendimento é feito de segunda a sexta de 8:00 às 15:00. Para mais informações, clique aqui.

Share:

Primeira consulta no pediatra

Bebê | Criança By 2 de abril de 2013 Tags: , , 7 Comments

maisjupediatra1

Com quase uma semana de atraso consigo sentar para falar sobre a primeira ida ao pediatra. Não fiquei com a pediatra que fez meu parto, ela não tem o nosso plano de saúde, por isso não queria demorar muito para ir lá conhecer o médico que acompanharia meu filho. Com 9 dias de vida estávamos lá no consultório esperando para sermos atendidos.

Cabe um parênteses, nesses primeiros dias de vida levei o Biel para fazer o teste do pezinho e tomar algumas vacinas como a primeira dose da hepatite e BCG. Aliás, que sofrimento fazer o teste do pezinho, é muita maldade com os babies e com as mães! Já as vacinas ele chorou muito na hora, mas assim que veio para o meu colo parou de chorar.

O pediatra foi indicado por uma amiga e super bem recomendado, a principio gostei dele. Ele mediu o Biel, pesou, averiguou orelha, nariz, boca, olho, viu se tinha hérnias. Tudo bem com o meu pequeno =D

Durante essas medições toda Biel tava lá peladão, ele aproveitou para batizar de xixi o consultório do pediatra heheheh Eu tinha levado lenço umedecido para trocar fralda. Afinal, levar algodão e água seria complicado, né? levei a primeira bronca do pediatra, nada de lenço umedecido mesmo na rua, mas confesso que continuo levando rs

Biel nasceu com 3,475kg e saiu da maternidade com 3,3kg, no dia da consulta ele estava com 3,310kg, segundo o pediatra é a partir do décimo dia de vida que os babies começam a recuperar o peso, que ele vai levar em conta o peso dele com um mês de vida.

Ele perguntou como estava a amamentação, expliquei que com dois dias o leite tinha descido, mas que eu ainda sentia dor, porque um dos seios estava machucado, mas que estava melhorando. Perguntei se precisava fazer alguma restrição para amamentar e ele disse que não.

Perguntei sobre fezes, xixi, contei que ele andava com narizinho entupido e ele falou para pingar soro fisiológico, e mostrei que o olhinho esquerdo dele está soltando uma remelinha, ele falou também para limpar com soro fisiológico. That´s it! vamos voltar quando ele completar um mês.

Share:

Curso de gestantes – dia cinco

Bebê | Criança, Gestação By 10 de dezembro de 2012 Tags: , , 1 Comment

Antes que vire lenda, vou terminar de contar do Curso de gestantes, né? Ah, vale ressaltar que não sou médica, sou apenas curiosa sobre assunto e estou repassando a minha visão sobre o que aprendi (:

Curso de gestantes – dia um
Curso de gestantes – dia dois
Curso de gestantes – dia três
Curso de gestantes – dia quatro

– Alimentação da criança no primeiro ano de vida

A nutricionista recomendou o aleitamento materno exclusivo até os seis meses de vida. Após esse tempo, os bebês atingem um estágio de desenvolvimento neurológico e motor que permite receber outros alimentos. Além da necessidade crescente de ingestão de mais calorias e nutrientes.

A partir dos seis meses é importante ter pelo menos um dos grupos presentes nas refeições: energia (tubérculos/cereais), proteína (ferro e zinco: carnes/ovos/leguminosas) e vitaminas e minerais (frutas/hortaliças).

Legumes: cenoura, beterraba, abobrinha, abóbora, chuchu, brócolis, couve-flor, berinjela.
Tubérculos: batata inglesa, batata doce, mandioquinha, inhame.
Carnes: músculo ou coxão mole, frango.
Frutas: maçã, banana, pêra, mamão, laranja lima, ameixa preta, melão, pêssego, manga, goiaba, melancia, caju.
Temperos: sal, cebola, alho, azeite – salsinha e cebolinha a partir de 8 meses.
Folhas: agrião, bertalha, espinafre, couve.

A nutricionista alertou para a inserção de uma fruta por vez, assim a criança se acostuma com o sabor da fruta por si só e você, mãe, consegue ver se a criança tem algum tipo de alergia ou tem alguma reação por conta da fruta.

Esse mesmo tipo de raciocínio vale para os alimentos na papinha. Introduzir um alimento novo por dia, de forma que no final de uma semana ele/ela já tenha experimentada um de cada grupo: 1º dia um tubérculo, 2º dia um legume, 3º dia caldo de carne,  4º dia caldo de cozimento folhoso, 5º dia uma mistura de todos os alimentos desta semana, 6º dia substituição do alimento equivalente por um outro do mesmo grupo.

Preparo das papinhas:
* A consistência deve ser pastosa, para isso usar uma peneira grossa – não usar o liquidificador
* Usar colher de silicone, copo e prato no lugar da mamadeira
* Não aquecer os utensílios junto com os alimentos
* Utilizar para cozinhar os alimentos panelas de inox ou vidro
* Oferecer água entre as refeições
* Após nove meses os alimentos devem ser apenas amassados com o gargo, inclusive o feijão
* Aliás, o feijão branco é o que possui maior capacidade para absorver o ferro e o cálcio
* A partir de 1ano e 2meses, os alimentos devem ser picados, desfiados ou cortados em pedaços pequenos
* Peixes, abacate, uva sem semente e mel a partir de um ano
* Se a criança recusar algum desses alimentos, não deve obrigar a comer. Oferecer em outros horários
* Cozinhar os alimentos em pouca água, já as frutas devem ser oferecidas logo após ser descascada
* Evitar o uso de alimentos industrializados (temperos prontos) e açúcar refinado
* É recomendável que o leite de vaca e derivados (iogurtes e queijos) não seja oferecido antes de 1 ano

– Dicas de como escolher uma creche
Essa foi uma das palestras mais importantes no meu ponto de vista, a pedagoga falou de uma série de itens que eu nem fazia ideia!

O berçário deve ter por lei 5 tipos diferentes de espaços:
* sala de estimulação
* sala dos berços (um por criança)
* banheiro adequado
* lactário (que é a cozinha do berçário) / refeitório (para crianças a partir dos 7meses)
* solário

Perguntas/ Pontos de atenção para se fazer na creche:
A creche é legalizada? Possui segurança nos espaços?
Possui equipe técnica especializada?
Os educadores possuem formação acadêmica?
Qual é o número de “tias” por criança? (ideal é três ou quatro por “tia”)
A cozinha e a dispensa são abertas a visitação?
As salas possuem janelas amplas?
Vocês seguem as orientações do pediatra em relação a alimentação?
Como é feita a esterilização dos itens?
Os bebês fazem quantas refeições por dia?
Se eu mandar o meu leite, vocês oferecem para meu filho (a)?
Como é feita adaptação dele (a) na creche? uma semana? 15 dias?
De quanto em quanto tempo os brinquedos são esterilizados? 
Como é o projeto pedagógico (sócio interacionista ou construtivista, entre outros)?
Como é trabalhado a psicomotricidade dos bebês?
Como eu me comunico com a educadora? ela vai relatar como foi o dia do meu filho (a)?
Como é feito nos casos de emergência médica?

Se as mamães experientes quiserem compartilhar mais dicas e perguntas, fiquem à vontade =)

Share:

Curso de gestantes – dia três

Bebê | Criança, Gestação By 8 de novembro de 2012 Tags: , 13 Comments

Primeiro dia o tema abordado foi amamentação e saúde bucal, no segundo dia foi da concepção ao parto e sobre atividade física para gestantes. No terceiro dia foi sobre acompanhamento pediátrico do recém-nascido e maternidade e aspectos ocupacionais e de psicologia. Do terceiro dia de curso, só vou abordar a parte que falou sobre o recém nascido, porque a outra palestra foi muito específica para o local que eu trabalho, então não vale a pena compartilhar.

Ou melhor, vou falar só uma coisinha sobre a parte psicológica do parto!
* Ansiedade e medo interferem na contração uterina, prolongando ou prejudicando o progresso da dilatação do colo do útero.

Ah, vale ressaltar que não sou médica, sou apenas curiosa sobre assunto e estou repassando a minha visão sobre o que aprendi (:

Esse é o bebê que me acompanhou durante todo o curso de gestantes =)

– Acompanhamento pediátrico do recém-nascido
A palestra foi ministrada por uma pediatra e ela começou com uma frase que acredito muito: “Parto é um fenômeno biológico e que o corpo avisa quando o bebê está pronto”.

Ela começou explicando que um bebê que nasce antes da 37ª semana é considerado prematuro e pós-maturo após 42ª semana. Seguiu falando sobre os tipos de parto e sobre as condições do bebê no momento pós-parto e o tal índice de Apgar, que eu sabia o que existia, mas não sabia o que era exatamente.

O Apgar é um teste desenvolvido por uma médica chamada Dra. Virginia Apgar, que consiste na avaliação de 5 sinais no primeiro, no quinto e no décimo minuto após o nascimento. A cadasinal é atribuído uma nota de 0 a 2. Os sinais avaliados são: freqüência cardíaca, respiração, tônus muscular, reflexo e cor da pele. O somatório da pontuação (no mínimo zero e no máximo dez) resultará no índice de Apgar. Atualmente existe uma corrente de médicos que acreditam que a cor do recém-nascido (RN) é compatível com o nível de oxigenação no sangue do bebê e que existem outros testes mais precisos para isso.

Se após esses passos iniciais o RN estiver bem, deve-se estimular o contato mãe-bebê ainda na sala, independente de ser cesárea ou PN. Se possivel, estimular que o bebê mame, ou pelo menos tente mamar. Isso é importante para o bebê e para mãe, pois esse primeiro contato vai ajudar no processo de expulsar a placenta e fazer o útero voltar aos poucos ao tamanho normal. Cortar o cordão umbilical e depois existem algumas intervenções que não vou nem abordar porque sei que existem correntes que são a favor, outras contra e como não existe certo e nem errado, vou me eximir disso.

Entre a primeira e a segunda hora de vida, após um parto normal, ele é capaz de fixar objetos visualmente, acompanhar movimentos e dar atenção ao que se assemelha a face humana. Muitos falam que o bebê é capaz de reconhecer o rosto e a voz da mãe e do pai logo ao nascer.

Na primeira 24h, o bebê vai fazer seu primeiro cocozinho, também chamado de mecônio, que é bem escuro e viscoso. Com três, quatro dias de vida a cor das fezes vão se modificar.

Nos primeiros meses de vida, o bebê ainda não tem o seu “termostato” maduro, por isso é comum vermos bebês pequeninos cheio de roupinha, manta, luva, etc. O bebê fica na temperatura ambiente, ele troca com o meio. Para ver se seu filho (a) está com frio, basta ver se a mãozinha ou pezinho dele está gelado. Se ele estiver com calor, ele vai ficar vermelho e agitado.

A pediatra também abordou a importância do aleitamento materno, reforçou que o bebê não deve tomar nada além de leite até os seis meses de idade (nada, nem água ou chá) e que não deve passar mais 4 horas sem mamar até os primeiros dois meses de vida, OU SEJA, mesmo se o baby estiver dormindo, tem que acordar para mamar!

O umbigo deve cair a partir do sétimo dia de vida, até este momento, a pediatra aconselhou dar banho apenas uma vez por dia e sem imersão total na água. Quanto mais umedecer o umbigo, mais tempo ele vai demorar para cair. Após o banho e cada troca de fralda, limpar o umbigo e sua base com álcool 70%.

A cada troca de fralda limpe bem as dobrinhas dos meninos e das meninas. Nesses primeiros meses ferva sempre a água antes de usar, mas não é para usar a água fervendo, né genthy? a água deve estar morna na hora de usar no baby! Ela recomendou usar aqueles lenços umedecidos apenas na rua, para facilitar. Ela disse que esses lenços não são ideias de usar toda hora porque eles retiram a camada de proteção da pele. AH, e em hipótese alguma esses lenços podem ter álcool em sua composição.

Até o quinto mês de vida existe o risco de morte súbita, então não deixe o seu filho dormindo de bruços.

Como pegar o bebê: apoie sempre a cabeça e o bumbum, evite fazer movimentos bruscos.

Share:

Creche

Bebê | Criança, Gestação By 30 de outubro de 2012 Tags: , , 23 Comments

Sim, creche!
Sim, eu tenho apenas 19ª semanas de gravidez.
Sim, teoricamente faltam mais 21ª semanas.
Sim, eu acho que é cedo para procurar creche.
Mas descobri que NÃO!  Não é cedo para procurar creche!

E foi assim que me surpreendi ao procurar uma creche perto de casa (leia-se dez minutos de caminhada) e descobri que não tem vagas para o ano de 2013. Perceberam a expressão grifada na sentença anterior? Pois é, parece que a região que eu moro não é muito agraciada pela presença de creches, sendo assim, as que existem são disputadíssimas. O berçário tem dezesseis vagas e já existem onze pessoas na frente. Como? Uma mulher se descobre grávida e no dia seguinte vai lá e coloca o nome na fila de espera, ou seja, ela engravidou provavelmente em junho, em julho a primeira mãe colocou seu nome na lista e o filho só nasce em fevereiro de 2013.

O mais engraçado é que para ser chamada para a vaga existe uma combinação aleatória de dados, misturadas com pitadas de sorte. Acompanha o raciocínio:
Meu filho nasce em algum momento de março (23/3 completa 40 semanas), isso varia um pouco, ainda mais porque quero entrar em trabalho de parto. Eu tinha pensado em colocá-lo na creche apenas com seis meses (4 meses de licença maternidade + 1 mês de férias minhas + 20 dias de férias do maridón), isso seria final de agosto, início de setembro. Maaas, entretanto, porém, contudo, todavia, é mais fácil conseguir a vaga se meu filho entrar com quatro meses. Pois, a creche dá preferência para crianças que vão aproveitar mais o berçário.

E como surge vaga no berçário? Bem, essa é uma outra resposta imprecisa, pois não depende da idade. A criança só muda de turma quando começar a andar firme, ou seja, varia de acordo com a evolução de cada um e assim por diante. Temos que torcer para que algum baby comece a andar em junho/ julho e o nosso nome seja o próximo da fila. Sentiu o drama?

Maridón perguntou desde quando está assim, se a gente tivesse ido ano em julho (junto com as primeiras mães da fila) a gente teria conseguido. Ela respondeu que não, que há dois anos está assim, sempre lotado. A verdade é que existem poucas creches no bairro e essa é a mais perto da nossa casa. As outras são mais longe (tipo, meia-hora andando) e são mais surreais ainda. Ex. uma diz que o ano letivo começa em março, então quer que a gente comece a pagar as mensalidades em março, mesmo que o nosso filho só entre em julho “para garantir a vaga”.

Algumas pessoas sugeriram colocar em creches em outros bairros, não descartamos a hipótese, mas imagina logística de carro, trânsito ou transporte escolar. Outras pessoas sugeriram babá, não curto muito a ideia. Enfim, ainda não chegamos a nenhuma conclusão. To na torcida para que as coisas clareiem ou que a gente consiga uma vaga na primeira creche! #desesperomodeon

Share:

Qual carrinho de bebê comprar?

Bebê | Criança By 31 de agosto de 2012 Tags: , 27 Comments

Logo depois que descobri a gravidez, encontrei com uma amiga que tinha acabado de fazer enxoval do baby. Ela me passou sua lista de compras e me deu uma aula sobre carrinhos. Confesso que me assustei, pensei que era só ir na loja e comprar o mais bonitinho ha-ha Doce ilusão.

Comprar um carrinho é quase igual a comprar uma casa própria ou um automóvel (momento drama queen, me deixa ta?). Bem, devida as proporções financeiras de cada um, descobri que para escolher um carrinho você deve pensar no seu estilo de vida. Pretende andar muito a pé? sozinha? acompanhada? a rua é asfaltada? ou é de paralelepipido? ele precisa caber na mala do seu carro? o bebê vai dormir no seu quarto nos primeiros meses? entre diversas outras perguntas. Depois de ficar confusa com todas essas perguntas e pedir dicas para outra meia-duzia de amigas que já possuem experiência no assunto, estou começando a chegar numa conclusão do que quero!

Wishlist:
– Não quero moisés, no meu caso não será necessário;
– Mas quero que o carrinho recline bastante, assim o baby pode usar desde RN;
– Que o carrinho seja switch! Que bebê conforto saia do carro e encaixe direto no chassi do carrinho. Exemplo, baby está dormindo e você chegou no seu local de destino. Ao invés de tirar o baby do bebê conforto, você acopla ele no carrinho e pronto. Esses modelos switch permitem acoplar o bebê conforto sem precisar da cadeira do carrinho, evitando ficar aquele trambolhão;
– Que ele mude a posição do assento. Exemplo, o baby pode ficar olhando para você ou para o mundo;
– Alça única, dizem que é melhor para conduzir;
– Cor (em ordem de preferência): vermelho, cinza, azul marinho, jeans e preto. Não quero rosinha, lilás ou marrom! Aliás, eu odeio marrom! Marrom só na maquiagem, no côncavo de preferência! rs

Já tenho um modelo queridinho: Peg Perego Pliko Switch Four. Ele é switch, tem nas cores que eu quero, o preço não é dos mais caros, seu único defeito: a alça não é única. Será que isso é fundamental?

Share: