Para quem perdeu a postagem sobre a primeira aula do curso de gestantes lá do trabalho, acesse aqui. O primeiro dia foi sobre amamentação e higiene bucal. No segundo dia de curso o bate-papo foi sobre concepção, parto e atividade física para gestante. Ah, vale ressaltar que não sou médica, sou apenas curiosa sobre assunto e estou repassando a minha visão sobre o que aprendi (:

– Da Concepção ao parto
O segundo dia começou com uma palestra de um obstetra, vou pincelar algumas curiosidades que anotei durante a conversa. O segundo bate-papo foi sobre atividade física durante a gestação! Simbora!

Um casal jovem e saudável, que não usa nenhum método contraceptivo e que tem relações sexuais duas vezes por semana, tem 90% de chance de engravidar no decorrer de um ano.

Ele abordou a importância de começar o pré-natal o quanto antes, falou que o ideal é que as consultas sejam multidisciplinar (obstetra, angiologista, dentista, nutricionista, psicologo). Claro, isso varia de acordo com cada organismo, cada mulher. Com o obstetra até a 30ª semana é uma consulta por mês, depois até a 37ª semana passa para uma consulta a cada 15 dias e após a 37ª semana é uma consulta por semana.

Durante as consultas o médico vai sempre verificar o peso e a pressão arterial da mãe. A partir da décima quarta semana vai começar a ausculta do batimento cardíaco do feto e vai acompanhar o crescimento da barriga, para ver se está de acordo com a idade gestacional.

Ele mostrou a listagem de exames priorizados pela OMS: hemograma, tipagem sanguínea + fator RH, glicemia de jejum, VDRL, anti-HIV, EAS/UCT, TOTG (teste de intolerância a glicose), Sorologia TORCH (toxoplasmose, rubéola, catapora e herpes). Claro que eu não faço a mínima ideia do que é cada um, coloquei a título de curiosidade. Testes complementares podem ser pedidos, como lipidograma, hepatograma, uréia, creatinina, ácido úrico, TSH e T4 livre.

Deve ser pedido uma ultra por semestre, preferencialmente entre 10 e 13 semanas para a translucência nucal, entre 20 e 22 semanas para a morfológica e entre 32 e 34 semanas para acompanhar o desenvolvimento do feto. Além disso, alguns médicos pedem eco fetal (entre a 24 e 26ª semana).

O ganho de peso durante a gestação varia de acordo com o seu índice de massa corporal no momento da concepção. Mulheres classificadas com baixo peso, podem engordar entre 12,5 e 18kg. Já mulheres classificadas com peso normal devem engordar entre 11 a 16kg. Se estiver com sobrepeso o ideal é engordar entre 7 e 12,5kg e se estiver obesa, no máximo 7kg.

Ele mostrou a evolução do feto semana a semana, mas nem vou entrar nesse mérito, porque o Baby Center Brasil cumpre esse papel muito bem. A partir da 34ª semana o bebê começa a se preparar para respirar, e com 37ª semanas o bebê não é mais considerado prematuro.

Essa palestra foi bem interessante, apesar de não concordar com alguns pontos de vista do obstetra. De modo geral, ele tentou ser imparcial, pareceu a favor do parto normal, mas acho que ele parte para cesárea muito cedo, ou seja, usa algumas desculpas que eu já sei que necessariamente não são indicação de cesárea para partir para cirurgia.

Agora, uma coisa que me impressionou é a quantidade de mulheres que não querem nem entrar em trabalho de parto. E o mais estranho de tudo é me sentir uma estranha no ninho por querer entrar em trabalho de parto, ter um parto natural, sem intervenções.

– Exercício físico na gravidez
Ajuda a manter o peso durante a gestação, melhora o condicionamento cardiorrespiratório, auxilia no controle da pressão arterial e dependendo do exercício escolhido pode ajudar até na hora do trabalho de parto.

Em uma gravidez normal (sem riscos) é recomendado 30 minutos de exercícios moderados de 3 dias a 7 dias na semana. No entanto, deve-se evitar exercícios intensos e trabalhar no máximo com 60% da frequência máxima cardíaca (FMC). Para calcular a FMC faça a conta: 220 – sua idade. Evite se exercitar em ambientes quentes e úmidos.

Faça aquecimento de pelo menos dez minutos antes de iniciar suas atividades. Mulheres sedentárias devem começar a se exercitar de forma lenta e sempre com autorização do médico.

Ao sentir qualquer um dos sintomas a grávida deve interromper o exercício: hemorragia vaginal, vazamento de liquido amniótico, vertigens, fraqueza muscular, dor de cabeça, desmaio, dor peitoral, dor abdominal inexplicável.

Share: