Daí que a semana passada começou caótica! Marido a princípio ficando resfriado, que evoluiu logo para febre alta e suspeita de dengue ou virose (porque enquanto o resultado não sai, pode ser qualquer coisa). Logo aqui em casa que eu sempre me gabei por não ter mosquito… Enfim, enquanto não tínhamos certeza do resultado o lance foi isolar o marido do filhote. Com isso passei a semana sobrecarregada cuidando dos dois, pelo menos da casa tenho uma pessoa para me ajudar.

Na terça a noite fiquei preocupada, Biel apareceu quentinho, molinho e com chorinho rouco. Fiquei monitorando a temperatura por umas duas horas, ele estava febril. Por volta das nove e pouco da noite a temperatura subiu para 37.4, ainda febril eu sei, mas diante do fato de ser mãe de primeira viagem e o marido estar com suspeita de dengue/virose me deixou preocupada. Liguei pela primeira vez para o pediatra, que me sugeriu deixar ele com pouca roupa, oferecer o seio a vontade e ferver água filtrada e oferecer em mamadeira para ele,  deixá-lo com pouca roupa – tudo por uma hora. E foi o que eu fiz, menos oferecer água… achei estranho. Ofereci só o meu peito.

Depois de uma hora, a temperatura dele não baixou, foi para 37.4, liguei para o pediatra que me aconselhou ir para uma emergência pediátrica. Com marido doente, liguei para o meu pai que nos levou. Chegando lá, descubro que bebês recém-nascidos com menos de um mês não são atendidos em emergências por conta do risco de contaminação e que eu deveria ter me encaminhado para maternidade que ele nasceu.

Eles não queriam nem me atender, mas uma enfermeira viu que eu estava preocupada e se ofereceu para tirar a temperatura dele que tinha baixado e estava 37.1. Ela foi conversar com a pediatra responsável pelo plantão para ela dar uma olhada no Biel, e assim ela fez. Auscultou, viu orelhinha, narizinho e resolveu ligar para o pediatra para dizer que iria nos liberar, o pediatra pediu que não liberasse e fizesse exame de urina. Óbvio que a fralda estava cheia de xixi e não conseguimos colher a urina, fiquei de colher no dia seguinte cedo e a tarde ir no consultório dele.

Segundo a enfermeira e a pediatra da emergência, Biel não deveria ter sido enviado para lá. Existem muitas coisas para serem feitas para abaixar a temperatura (que ainda não era considerada febre) antes de mandá-lo para um hospital. Além do mais não se deve enviar um RN para uma emergência de hospital por conta do risco de contaminação.

Enfim, o pediatra foi atencioso, ligou no dia seguinte de manhã para saber como estávamos, mas acabei não gostando da forma como as coisas foram conduzidas por ele, sem contar com o fato dele ter mandado dar água, até porque Biel estava urinando e fazendo coco normalmente, ou seja, ele não estava desidratado, nem passando fome. Aliás, uma coisa que me incomodava é que ele sempre duvidava da minha capacidade de alimentar meu filho com o leite materno, mas vamos deixar isso para lá.

No dia seguinte coletei a urina e fui no pediatra, ele não estava com febre e o pediatra auscultou, viu orelha, nariz e estava tudo ok. O pediatra continuou mandando eu dar água… Não dei.

Na quinta fui em um outro pediatra, que também tinha sido recomendado (também é do plano) e gostei bastante. Biel também gostou (rs) não chorou durante as verificações que o pediatra fez – no outro ele abriu o berreiro nas duas vezes. O novo pediatra também passou uma vitamina para o Biel tomar até os seis meses de idade – vitaminas que não tem no leite materno e que são importantes. Enfim, mudei de pediatra. Biel ficou bem durante o resto da semana e marido de cama! Foi complicado, mas estamos todos bem!

Share: