Browsing Tag

MaisJu

Batizado Biel

Bebê | Criança By 8 de janeiro de 2014 Tags: , 10 Comments

O batizado da minha delícia aconteceu no dia 9 de novembro de 2013, no mesmo dia que o avô materno fez aniversário. Queria ter feito uma festa grande, chamado familiares, padrinhos de casamento e amigos, mas minha casa não comporta e o play do meu prédio não possui infraestrutura e é horrível. Sendo assim, acabei chamando apenas os familiares mais próximos, os padrinhos do Biel (óbvio rs) e seus respectivos! Uma amiga fotografou a igreja, depois seguimos aqui para casa onde rolou um pequeno brunch.

Não tenho fotos profissionais aqui de casa, mas tenho as da igreja, vamos conferir ;P

IMG_8170

IMG_8193

IMG_8200

IMG_8215

IMG_8219

IMG_8282

IMG_8288

IMG_8292

IMG_8294

IMG_8332

IMG_8373 (2)

IMG_8445

IMG_8437

 

– queria fazer um agradecimento a amiga Danee que parou sua licença maternidade para fazer o bolo do batizado, não só fazer, como nos presentear! Obrigada!

Bolo_batizado_granuladochic

Bolo de batizado

De lembrancinha, a madrinha Angélica preparou uma caixa recheada de trufas.

lembrancinha_batizado

Lembrancinha de batizado

Share:

Momento Maternidade

Amamentação, Bebê | Criança By 7 de janeiro de 2014 Tags: , 8 Comments

MM_GNT_maisjuAmanhã Biel e eu estreiaremos na telinha! No final do ano passado gravamos uma entrevista curtinha, menos de um minuto para o programa Momento Maternidade que passa no Canal GNT. Na verdade, nem chega ser um programa, são pílulas que passam ao longo da programação, durante o intervalo entre um programa e outro.

O tema foi introdução alimentar – do leite para comida, contei um pouco sobre a nossa experiência, os meus medos, a minha dificuldade. Fato é que falei muito melhor para a produtora do programa pelo telefone, na hora travei e esqueci de falar um monte, monte de coisas. Falei sobre a introdução alimentar do Biel aqui e aqui.

Como não assisti a gravação depois, não sei se o que falei faz sentido (hahah) ou se falei alguma asneira (espero que não!!!) a verdade é que provavelmente vocês (pelo menos alguém) verão antes de mim! Já que a primeira vez que vai passar, estarei no trabalho! heheh

Se alguém assistir, vem aqui me contar? Bem, é isso! Ansiosinha para ver o resultado! Para ajudar, seguem os horários das próximas semanas:

  • 08/01 às 11:59
  • 09/01 às 08:29
  • 10/01 às 18:59
  • 11/01 às 21:59
  • 12/01  às 23:29
  • 13/01 às 09:59
  • 14/01 às 08:59
Share:

Relato de parto – parte 4

Amamentação, Bebê | Criança, fotografia, Gestação, parto natural, Relatos de parto By 18 de dezembro de 2013 Tags: , , , 38 Comments

Relato de parto – parte 1
Relato de parto – parte 2
Relato de parto – parte 3

Última parte do relato de parto, depois desse post faltará apenas as minhas considerações finais. Esse post termina com o Biel em meus braços, mamando em sua primeira hora de vida. Para os ansiosos ou para quem chegou aqui pela primeira vez, tive um parto natural (livre de qualquer tipo de intervenção), na qual o respeito, o carinho estiveram presente em todos os momentos. Biel nasceu às 6:06am do dia 18 de março de 2013 com apgar 9/10, 52cm e 3,475g de muita gostosura.

Mesmo focando minha energia na respiração e contração, Biel terminava a descida no canal vaginal de forma lenta. A esta altura as contrações eram as mais dolorosas, duravam mais tempo e os intervalos eram menores. Neste momento, Dra. Fernanda falou: “ao invés começar a fazer força no início da contração, espera ela ficar bem forte, aí sim faz força, com uma série de respirações seguidas, continuando até o final da contração”. Mal comparando, como se eu fosse surfista, que ao invés de ficar em pé na prancha logo no início da onda, espera o momento exato de levantar para aproveitar ao máximo a força do mar.

Este é um momento do TP que você acha que não vai acabar nunca. Você dúvida do seu corpo, você encontra os seus medos e neles você tem que buscar força para sair dali e parir seu filho. Nessa hora, o apoio do meu marido e da equipe que escolhi foram fundamentais. Pois quando você duvida de você mesma, eles acreditam e te passam a certeza e a segurança de que está tudo no caminho certo.

Kira, com suas doces palavras, me falou em uma das contrações: “se entrega, lembra que a contração é sua amiga, é ela que trará o seu bebê para você”. Fernanda complementou: “chegou aquele momento que conversamos diversas vezes nas consultas, chegou o momento em que você tem se jogar do paraquedas”.

Absorvi aquelas frases e em pouco tempo meu corpo processou as informações. Decidi parir. Uma força tomou conta do meu corpo, eu me concentrei ainda mais na contração. De vez enquando eu chamava pelo meu filho. Num dos intervalos entre uma contração e outra, Dra. Fernanda comentou: “vamos Ju… falta pouco, estou vendo ele… sente seu filho, coloca a mão na cabeça dele”.

Lembro que estiquei meu braço receosa, sempre tive um certo nervoso desta cena, mas era meu filho nascendo, era o momento de vencer todas as minhas barreiras, medos e frescuras. Toquei sua cabeça, seus cabelos, aquilo me deu força para continuar. Eu já não aguentava mais, nesse momento veio mais uma contração e de fato sua cabeça começou a sair. Foi a maior dor da minha vida. Sensação de que de fato tinha algo me rasgando ou de uma forma poética, matando aquela a velha Júlia, para nascer uma nova. Nessa hora eu gritei com a Dra.: “Fernanda, o que você está fazendo? tira a mão daí”.

A sensação que eu tinha, é que ela estava com a mão dentro de mim. Eu lembro com muita lucidez desta hora. Ela, calmamente, quase sorrindo, respondeu: “Ju, não estou te encostando, é o seu filho saindo”. Ao mesmo tempo ela levantou as mãos para o alto, como se quisesse comprovar que não estava encostando um dedo se quer em mim.

A contração foi embora e Biel estava no meio do caminho, a dor era insuportável. Lembro de ter pedido um pouco de água para molhar a minha boca enquanto não chegava a próxima contração. Esses momentos finais são um pouco confusos em minha cabeça. Em mais uma ou duas contrações, fazendo força e sentindo a maior dor física da minha vida, Biel nasceu, às seis e seis da manhã de uma segunda-feira chuvosa de março.

Ele saiu de dentro de mim, sem chorar e veio imediatamente das mãos da Dra. Fernanda para o meu colo e ali ficou por mais de uma hora. Segundo meu marido, ele veio para o meu colo, de olhos abertos, me olhando. Meus olhos encheram de água, mas eu não chorei. O amor mais lindo e puro estava em meus braços e chorar deixaria minha visão turva.

Ficamos ali, os três abraçados, meio sem jeito, sem acreditar em tudo que tínhamos vivido nas últimas horas. Kira registrou o momento com algumas imagens. Após o cordão umbilical parar de pulsar, Rodrigo o cortou.

MAISJU_NASCBiel2

Biel ainda ficou no meu colo, tentando mamar, cheirando, lambendo, mamando e descobrindo o mundo. Depois de parir o meu filho, tinha que parir a placenta, que por sua vez, estava apegada e não queria sair. Foi necessário uma força tarefa: Biel mamando, Kira fazendo massagem, acupuntura, Fernanda tentando soltar a placenta. Depois de uma hora e aos poucos, ela saiu.

MAISJU_NascBiel

Depois que a placenta saiu, Kira, Rodrigo e a pediatra neonatal levaram Biel para o berçário para os procedimentos padrão. E eu fiquei com a Dra. Fernanda e uma enfermeira na sala de parto. Biel nasceu às 6:06, mas antes das oito da manhã, nós três já estávamos no quarto.

ps. no próximo post, algumas considerações finais, impressões e notas mentais para a próxima gravidez.

Share:

foto com papai noel

Bebê | Criança By 13 de dezembro de 2013 Tags: , 5 Comments

Primeiro ano de vida, primeiro Natal. Ano passado estava tão cansada com a gravidez que nem arrumei a casa para o Natal, este ano isso não podia se repetir, né? Primeiro ano do Biel, queria que ele tivesse a experiência desde cedo de curtir a decoração natalina, ver o papai Noel e fosse envolvido por toda mágica desta época do ano. Decoração de Natal “ok”, faltava levar o filhote para encontrar o bom velhinho.

NATALmaisju_BS2

body especial de natal #S2

Combinei com a Danee, fizemos enquete com as outras amigas-mães e escolhemos o papai Noel mais bonito e fomos lá num domingo de tarde, logo depois do almoço para não pegar fila. E de fato, se ficamos dez minutos no total, foi muito!

Biel foi lá, tirou a foto, distribuiu sorrisos para as ajudantes, para o fotógrafo, as ele ainda não tem noção do que é papai Noel, né? É muito pequenininho para entender o que estava acontecendo, mas valeu a experiência!

Confesso que não gostei da foto oficial que foi tirada (preferi muito mais a minha que tirei com o celular). O enquadramento da foto oficial foi péssimo. O rapaz que tirou a foto foi super simpático, tinha uma super paciência, fazia todas as crianças rirem para foto, maaaas ele não devia ter conhecimento de fotografia/ enquadramento.

natalMaisJu_BS

Share:

Cuidado com o braço de bebês

Bebê | Criança By 12 de dezembro de 2013 Tags: , 5 Comments

Brincadeiras inocentes como suspender o filho pelos braços, balançar ou até mesmo um descuido bobo na hora de passar o baby de um colo para outro pode causar o que chamam de pronação dolorosa. Este post é um alerta para mães, pais, avós, avôs e demais cuidadores de bebês e crianças até cinco anos de idade.

Depois da visita guiada ao Museu de Arte Naïf fomos tomar um café atrás do museu. Lá tinha um tapete de EVA e alguns brinquedos espalhados no chão, um cantinho fofo para os babies brincarem!

A visita aconteceu bem na hora do soninho dele, acabou que ele não dormiu. Então, depois de alguns minutos brincando no tapete, ele começou a ficar mais molinho, começando a reclamar. Marido tomou café na frente e depois seria minha vez (aqui rola revezamento na hora da comida hehehe). Quando eu fui mudar o Biel de colo (do meu para o meu marido), do jeito que sempre faço, pegando por baixo da axila, pegando na altura da costela, o braço dele prendeu no meu vestido… Na hora Biel chorou muito, um choro sofrido. Levantei, abracei, ninei e ele acabou dormindo. Fiz uma breve inspeção no braço dele e vi que não estava inchado e se eu apertasse ele não sentia dor. Terminamos de comer, pagamos e fomos para casa.

Biel acordou quando estávamos chegando em casa, mas pediu para mamar e dormiu mais. Quando ele acordou vi que não estava mexendo o bracinho que tinha prendido no vestido, tentei mexer o braço e vi que ele sentia um pouco de dor. Liguei para o pediatra, expliquei a situação, que disse que isso é comum em crianças até quatro anos, pois o cotovelo ainda não está formado e apresenta frouxidão, pediu para me dirigir a uma emergência pediátrica que tenha ortopedista.

Assim que o ortopedista viu o braço do Biel, matou a xarada… disse que quando a criança ou bebê desloca a cabeça do radio (acho que é isso) e mantém o braço parado ao lado do corpo com a palma da mão virada para trás. Se recusa a levantar o braço acima da cintura que causa desconforto e não usa a mão deste lado, mesmo se você tentar oferecer um brinquedo. Por instinto ela apanhará com a outra mão.

Ao dar essa explicação sobre o que tinha acontecido, ele colocou o braço do Biel no lugar. O médico foi muito delicado, tanto que Biel nem chorou na hora que ele colocou  no lugar! Apenas deu uma reclamada. Juro, eu estava imaginando que ele fosse gritar e muito. Depois ele pediu um raio-x para comparar e ver se estava tudo normal…

Mesmo depois de estar com tudo ok, Biel estava com medo de pegar brinquedinhos com a mão ou de mexer o braço. Precisei provar para ele que estava tudo certo. Mas isso durou menos que cinco minutos, depois que viu que podia mexer o bracinho sem sentir dor, fez a maior bagunça no hospital hehehe

O ortopedista falou que isso é muito comum de acontecer, que vira e mexe aparece alguma criança lá assim. Por isso, cuidado ao levantar a criança ou o baby pelo braço! Não façam aquela brincadeira de balançar ou girar a criança. Nossos pequenos são muito frágeis!

Share:

Arte para babies

Bebê | Criança By 10 de dezembro de 2013 Tags: , 7 Comments

Sábado passado foi dia de museu e de arte, bebê! Sim, isso mesmo! O MIAN – Museu Internacional de Arte Naïf do Brasil – surgiu com uma proposta de visita guiada para nenéns a partir de três meses. Durante a visita, os babies passeiam por algumas salas do museu até chegar na obra que será “trabalhada” naquele dia. Em uma das salas é possível tocar nas obras com suas mãozinhas e pézinhos, possibilitando sentir novas texturas e ver de perto as cores fortes tão características da arte Naïf.

Para fechar a visita, em frente a obra que sera trabalhada naquele mês, eles colocam um tapete estendido no chão com alguns brinquedos diferentes (ex. caixa de ovo, saquinho de filó com sementes e cereais variados, pedaços de tecidos, fitas), que tem o objetivo de instigar a imaginação dos babies e aguçar seus insitintos com sons e ainda mais texturas diferentes. Tudo isso acontece por meia-hora/quartenta minutos, porque nenhuma atividade prende a atenção deles por muito mais tempo que isso.

Vamos ilustrar esse post? algumas fotos do dia =D

Biel olhando curioso para Antoninho!

Biel olhando curioso para Antoninho!

       IMG_4304IMG_4286IMG_4289

Parte final da visita, sentadinho no tapete, com brinquedos diferentes para estimular todos dos sentidos e musica <3

Parte final da visita, sentadinho no tapete, com brinquedos diferentes para estimular todos dos sentidos e musica <3

Depois da visita, no café orgânico que tem atrás do museu e que tem um espaço bacana para os babies brincarem =D

Depois da visita, no café orgânico que tem atrás do museu e que tem um espaço bacana para os babies brincarem =D

Foi um passeio bem agradável e diferente, acho que vale muito a pena agendar uma visita. Quem tem criança em casa sabe como eles são curiosos por coisas e atividades diferentes. Seria tão legal se outros centros culturais tivessem essa ideia, por ex. eu queria levar o Biel numa exposição no CCBB que possui instalações lindas, mas está sempre tão cheia, que eu acho que tenho medo do tumulto incomodar ele.

Serviço:
Custo: R$10,00 por bebê (um acompanhante de graça, o segundo paga R$12)
Local: Museu Internacional de Arte Naïf do Brasil
Rua Cosme Velho, 561 – RJ.
Capacidade: até 10 bebês por visita
Inscrições antecipadas por tel.: 2205-8612

Share:

Mesaniversário: 8º mês

Bebê | Criança By 4 de dezembro de 2013 Tags: , 10 Comments
montagem8mes_blogMAISJU

Oitavo mesaniversário

Oito meses da minha delícia deliciosa!

No mês anterior, Biel já se arrastava pela casa. Pequenas distâncias, mas se arrastava. Agora, ele engatinha minha gente! Logo depois que passou o rotavirus, voltou a ficar mais animadinho, começou a se aventurar a explorar novos lugares da casa. Obviamente ele engatinha atrás de mim pela casa e atrás de tudo que não deve ser colocado na boca, como chinelo e fios. Preciso colocar ontem uma portinha vetar a passagem dele para cozinha e para varanda.

Este mês batizamos a nossa delícia. Fiz um brunch depois do batizado, foi um evento pequeno, só para familiares próximos e os padrinhos do Biel. A nossa ideia inicial era até chamar os nossos padrinhos de casamento, família, amigos, mas a nossa casa não comporta tanta gente e o nosso “play” não tem infraestrutura para receber pessoas. Contratamos uma amiga para fazer as fotos do batizado, estou super ansiosa para ver!

Esse mês precisei abaixar o berço dele. Para o meu desespero, numa acordada noturna, vou pegá-lo na cama e ele estava lá, em pé. Claro que não abaixei o berço naquela hora,né? Mas foi a primeira coisa que fiz no dia seguinte quando cheguei em casa. Baixei para segundo furo, mas já estou vendo que em breve (muito breve) terei que baixar para o último furo.

Finalmente conseguimos conciliar a nossa agenda de compromissos com o tempo bom aqui no Rio de Janeiro, curtimos uma praiana delícia – veja neste post! Ansiosa para levar meu pequeno outras vezes na praia e marcar com amigas que tem filho da mesma idade! Aí a farra vai ser ainda maior!

A introdução alimentar continua forte por aqui, Biel aceita bem as comidinhas, faz cara feia no início, mas come tudo. Aos poucos consegui entender/ aceitar a IA como uma aliada e vi que na verdade ela não vai acabar com o nosso momento amamentação… Enfim, esse papo rende um post, contei com mais detalhes aqui. hehehe

Esqueci de dizer no post do sétimo mês que nasceu um dentinho e agora já temos DOIS! Vide foto acima hehehe

Este mês Biel voltou finalmente a ganhar peso! Passou dos oito quilos! A consulta aconteceu em 18/11 e neste mês Biel cresceu 1 cm e engordou 500g. Biel está pesando 8,300kg e está com 68cm.

Share:

Continuação da introdução alimentar

Amamentação, Bebê | Criança By 28 de novembro de 2013 Tags: , 15 Comments

biel_papando

A introdução começou aos seis meses como contei aqui. No primeiro post contei como foi a primeira semana de alimentação dele em casa e na creche. Sorte que Biel é bom de garfo, de modo geral aceitou bem as papinhas salgadas e doces.

Depois da primeira semana, fiz algumas mudanças no cardápio da creche que continuaram até o início do sétimo mês – veja abaixo:

Para a creche (6 meses):
– Colação (8:30): suco de laranja lima
– Almoço (11:00): papinha salgada com dois legumes (batata inglesa, baroa, doce, cenoura, chuchu, beterraba, abóbora)
– Sobremesa: nenhuma
– Lanche (14:00): fruta amassadinha (mamão, banana, maçã ou pêra)
– Jantar (16:30): leite materno

Em casa:
– Livre demanda de leite materno e papinhas salgadas e frutas amassadas no final de semana.

Confesso que em casa foi difícil seguir os horários da creche. Muitas vezes, eu dei só o peito ou no máximo uma fruta. Na minha cabeça foi difícil digerir a IA. Inconscientemente eu achei que a IA fosse diminuir o meu  vínculo com o Biel, eu não estava preparada emocionalmente para isso. Curto muito nosso momento… Não quero o desmame e por isso fiquei com medo. Para muitas mães, a primeira separação é o nascimento do filho. Eu não considero desta forma, para mim o nascimento foi a felicidade plena, a realização. Na minha concepção, a primeira “separação” foi a entrada dele na creche e a segunda foi a introdução alimentar.

Com a chegada do sétimo mês, liberei a introdução de carne e frango na alimentação dele. Liberei também sobremesa depois do almoço e aumentei a variedade de sucos para ele beber na colação. A grande diferença foi a introdução de papinha na janta da creche, com isso eu parei de mandar leite materno (LM).

Com isso, não tinha necessidade de ficar tirando leite todos os dias no trabalho. Até cheguei a fazer por alguns dias depois dos sete meses, mas vou te confessar que é um trambolho a mais para carregar todo dia (bomba elétrica, pote para armazenar o leite, bolsa térmica), sem contar que eu tinha que parar pelo quartenta minutos no total para tirar o leite no trabalho e em casa era uma rodada a mais de esterilização. E vou dizer que no final do dia, era mais uma coisa para me cansar. Até cheguei fazer um mini-estoque de leite congelado, mas parei porque porque não vi necessidade.

Para a creche (7 meses):
– Colação (8:30): sucos diversos
– Almoço (11:00): papinha salgada (com legumes, túberculos e raízes, grãos, verduras e um tipo de carne)
– Sobremesa: apenas fruta
– Lanche (14:00): fruta amassadinha misturada ou não com cereais (naturais, tipo aveia)
– Jantar (16:30): papinha salgada

Em casa:
– Livre demanda de leite materno e papinhas salgadas e frutas amassadas no final de semana.

Nos finais de semana segui no mesmo esquema de antes, sem conseguir criar um ritmo bacana para a alimentação dele. Pode parecer besteira, mas diminuir a amamentação doeu, me deixou insegura. Foi necessário quebrar algumas barreiras, mas aos poucos fui vencendo e consegui colocar um ritmo de dar pelo menos uma papinha salgada e uma frutinha amassada.

O oitavo mês chegou, o pediatra liberou a introdução de ovo e peixe na alimentação. De um tempo para cá, percebi que Biel estava acordando muito para mamar a noite (mais ou menos a cada 1h30). Perguntei se era necessário oferecer algum alimento para ele (além do LM) antes dele dormir, já que a janta na creche é às 16h30. O pediatra respondeu de forma positiva e desde então tenho dado um lanchezinho antes de dormir (uma fruta ou metade da porção do almoço de papinha salgada). Claro, que tem dias que a noite é caótica, mas de modo geral Biel está dormindo muuuuuuuito melhor. Muito mesmo! Tem acordado em média duas vezes por noite. Afinal, o gasto calórico dele aumentou, né? Engatinha o dia inteiro!

Nosso único problema tem sido a introdução de líquidos. Mesmo na creche, nem sempre ele aceita bem os sucos e comigo é a tendência sempre é rejeitar. Água de côco ele aceitou bem, água bebe só um pouquinho, principalmente quando me vê bebendo. Acaba que ele sempre prefere o peito. Uma coisa que tenho feito, é misturar um pouquinho de água filtrada ou água de côco nas papinhas doces, para ajudar na hidratação, principalmente nos dias mais quentes!

Finalmente, de duas semanas para cá consegui imprimir um ritmo bacana no final de semana de almoço, lanche e janta. Parei de me cobrar tanto e me permiti comprar papinhas salgadas prontas para ajudar nos dias de tempo curto.

Não posso reclamar, porque Biel come bem! Faz cara feia na primeira colherada, mas depois abre a boca pedindo mais, é muito engraçado. A única coisa que estou com dificuldades para introduzir é maçã, ele não gosta e da última vez vomitou tudo. Este final de semana vou tentar uma receita diferente de papinha de maçã. E vou oferecer peixinho pela primeira vez ♥

Share:

Primeira vez na praia!

Bebê | Criança By 19 de novembro de 2013 Tags: , 7 Comments

Ele já tava liberado desde os seis meses, mas aconteceu gripe, depois rotavirus, depois tempo ruim e compromissos. Não conseguiamos casar um dia de tempo bom e nada para fazer. Até … a última sexta! Acordamos cedo e 8:30am estávamos na praia nós três e a tralha toda. Sim, a tralha! Toalha, fralda descartável, roupa seca, protetor solar, piscina, bomba para encher piscina (que foi a sensação da praia), brinquedos, baldinho, cadeira de praia, canga, câmera, etc.

Ao todo ficamos um pouco mais de uma hora e meia. Biel chegou dormindo, então enquanto marido enchia a piscina com a água do chuveirão da praia, abria a barraca e arrumava as coisas ele tirou um cochilo. Estranhou um pouco a água fria da piscininha, mas nada que cinco minutinhos lá dentro para entender que era bagunça! Amou comer os brinquedinhos com o gostinho da água salgada (Como impedir? impossível ahahaha), dançou, riu. Delícia total! Saiu de lá exausto e tirou duas boas sonecas depois!

Copacabana

Primeira vez do Biel na praia!

Bebê na piscina

Primeira vez na piscina

Piscina
Ficamos tão animados com a ida a praia, que resolvemos levá-lo na piscina no dia seguinte! Também estranhou no começo, mas cinco minutos depois estava totalmente ambientalizado =P

Share:

todos os substantivos

Mãe By 13 de novembro de 2013 Tags: 13 Comments

Estou em busca pela Júlia, esposa, cidadã, mulher, profissional, filha, irmã, etc, ou seja, a busca por todos os substantivos, qualidades e adjetivos que posso abrigar dentro de mim menos o de mãe, que sou e respiro 24 horas por dia.

Desde que voltei a trabalhar precisava de uma foto minha para atualizar um projeto no trabalho. Uma foto sem o Biel. Percebi que desde que o Biel nasceu, nunca mais tirei foto sozinha. Na verdade, eu quase não apareço nas fotos. Fotografo Biel diversas vezes por dia (mãe coruja a gente vê por aqui, afinal que mãe não é?), filmo, fotografo Biel com o pai, etc, mas fotos minhas com o Biel são poucas e fotos minhas simplesmente não existem.

Poderia usar uma foto feita por fotógrafo profissional tirada em julho do ano passado. Naquela época eu já estava grávida e nem sabia, mas simplesmente não queria, sabe? Aquela foto não me representa mais, o tempo foi passando, mantive uma foto minha grávida e deixei de lado. Mas isso foi me incomodando, ontem cheguei no trabalho e pensei “de hoje não passa”. Pedi ao amigo e padrinho de casamento que tirasse uma foto minha. Ele tirou algumas, eu escolhi duas. Uma publiquei no projeto e a outra no instagram.

Recebi diversos elogios nas duas e fiquei feliz (quem não ficaria? hehehe), ainda mais se formos levar em consideração, que nos últimos sete meses e meio eu deixei de ser o centro da minha vida e foquei toda minha energia e atenção no meu pequeno.

Acho que esse é um dilema que todas as mulheres passam em algum momento pós-maternidade. Lembro que minha mãe, que sempre foi super vaidosa, depois do parto da minha irmã deixou de se arrumar por um tempo. Passou a usar calças e blusas largas e olha que ela sempre teve um corpão, nunca foi gorda. Era simplesmente falta de tempo ou de vontade de se arrumar. Até que um dia numa conversa eu falei isso para ela… e eu tinha cerca de onze/ doze anos. Eu era nova, mas isso me marcou profundamente. Aos poucos ela foi retomando sua identidade, sua vaidade.

Não saio mais com as amigas para tomar chopp, não faço mais a unha com frequência, não passo mais creme no corpo e não lavo mais o cabelo todos os dias, muitas vezes acordo, prendo o cabelo e só solto na hora de dormir, não compro mais roupas e acessórios para mim, etc. Mas, tendo como referência a minha mãe, tento sempre sair arrumadinha, passar maquiagem, mesmo que básica. Porque não é porque somos mães que temos que andar com cara de acabada por aí. Só pelo fato de ter esse cuidado, já ouvi de muitas pessoas “nem parece que você tem filho pequeno”.

Alguns incômodos corriqueiros são mais profundos do que a gente pensa, nem sempre é fácil descobrir o que está por traz de certos sentimentos. Bem antes de engravidar, eu duvidava da minha capacidade de ser mãe. Não me entendam mal, eu sempre quis ser mãe, mas eu achava que não daria conta, que não teria forças, disposição.

Hoje, sete meses e meio depois, vejo que estava errada, que substimei a minha capacidade. Não sou perfeita e nem quero ser, mas tenho plena consciência de que sou “muito” mãe. “Muito” porque me joguei na maternidade. Aprendi, errei, me desesperei, chorei, voltei atrás, amei e amo muito todos os dias, todos os minutos. Mas chegou o momento de que preciso me reencontrar mais como individuo e menos como mãe. Talvez seja o início do processo de separação ou o início do fim da nossa fusão emocional. E isso dói, sabe?

Não tenho a resposta de como fazer para me reencontrar e achar o equilíbrio entre meus papéis antigos e os novos. Meu pequeno ainda exige muito de mim e eu amo e preciso disso. Por mais cansada que eu esteja tentando me reequilibrar, isso me alimenta. Enquanto não chego a uma conclusão, vou me contentando com as pequenas coisas. Nesta semana, com a minha primeira foto sozinha.

foto de mãe

Júlia, mãe, esposa, amiga, filha, sobrinha, tia, profissional, etc

 

Share: